INSEJEC - Igreja Nacional do Senhor Jesus Cristo

Decreto por sete anos

“Ouve, ó Israel; Yahweh nosso Deus, Yahweh é UM. Amarás, pois, a Yahweh teu Deus […]

“Ouve, ó Israel; Yahweh nosso Deus, Yahweh é UM. Amarás, pois, a Yahweh teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todas as tuas forças. E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; e as ensinarás a teus filhos, e delas falarás sentado em tua casa e andando pelo caminho, ao deitar-te e ao levantar-te. Também as atarás por sinal na tua mão e te serão por frontais entre os teus olhos; e as escreverás nos umbrais de tua casa, e nas tuas portas” (Deuteronômio 6:4-9).

A família é uma instituição Divina. Deus é o seu autor e sustentador. Paulo declara: “Por esta razão dobro os meus joelhos perante o Pai, do qual toda família nos céus e na terra toma o nome” (Efésios 3:15).

Deus oficiou a primeira cerimônia de casamento. Ele mesmo formou Eva e a entregou como esposa a Adão para suprir sua necessidade de companheirismo. Todos os dias Deus visitava essa primeira família para comungar com ela. Era o momento da adoração em família, do “culto doméstico.”

Nos primeiros capítulos de Gênesis estão, em embrião, os princípios Divinos para o homem. Neste caso, Deus revela que Seu propósito primeiro para a adoração de Suas criaturas, é no contexto da família. O casamento é uma aliança a três, na qual YHWH é o Criador, oficiante, provedor e protetor. O Lar é um santuário. Um lugar de adoração, de culto, de formação do caráter de acordo com o padrão Divino. Deus não separa a vida do homem entre o sagrado e o profano. Tudo que diz respeito à sua existência é sagrado. Logo, Deus pode estar e deve estar presente em tudo que está ligado à vida da família.

ADORAÇÃO EM FAMÍLIA, UM PADRÃO BÍBLICO

Milênios antes que houvesse o sistema sacerdotal, templo, sinagoga ou locais de culto, o Lar era o templo.

  • No Éden a adoração se dava em família, na viração do dia, transmitindo a mensagem de que o dia começa e termina com o Criador.
  • Noé, o único com sua família a escapar da destruição diluviana, adorava em família.
  • Abraão, Isaque e Jacó mantinham o culto em família.

A FORMAÇÃO DOS FILHOS, MISSÃO DOS PAIS

YHWH fez uma aliança com Abraão. Dele surgiria o povo de onde viria o Redentor. Nele todas as famílias da terra seriam abençoadas (Gn 12:3). Teria, portanto, a missão de tornar conhecido em toda a terra que YHWH é o único Deus.

Quando a maldade de Sodoma e Gomorra clamaram por juízo e destruição, Deus conversou sobre o assunto com seu parceiro de aliança. Ló, seu sobrinho, morava na área. Era parte de sua família e Deus quis dar a Abraão a chance de interceder por ele. Interessante o relato bíblico:

“Então YHWH disse: “Esconderei de Abraão o que estou para fazer, visto que Abraão certamente virá a ser uma poderosa nação, e por meio dele todas as famílias da terra serão abençoadas? Porque eu o tenho conhecido, e sei que ele há de ordenar a seus filhos e à sua casa depois dele, para que guardem o caminho de YHWH, para agir com justiça e juízo; para que YHWH faça vir sobre Abraão o que acerca dele tem falado” (Gn 18:17-1 9)

“Porque Eu o tenho conhecido (escolhido, reconhecido) [como pertencente a mim], para que ele ensine e ordene seus filhos e os filhos de sua cada depois dele a guardar o caminho de YHWH e a fazer o que é justo e reto, para que YHWH faça vir sobre Abraão o que lhe tem prometido” (Amp.)

Abraão foi escolhido para ser cabeça de uma descendência piedosa sobre a terra. O povo da aliança. Da revelação de YHWH. Do Livro Sagrado. Modelo para todos os povos. No momento em que YHWH decide destruir Sodoma e Gomorra diz que não pode ocultar-lhe o que fará e diz o porquê: Ele fora escolhido para servi-lO e adorá-lO. Yahweh sabe que ele o fará e transmitirá à sua descendência o que dEle recebesse. Ele haveria de ensinar não somente seus próprios filhos, mas também seus servos, todos em sua casa; inculcar os princípios Divinos neles, usar sua autoridade com eles, dar-lhes todas as instruções necessárias, e usar tais métodos com eles de forma a propagar e conservar a religião verdadeira depois da sua morte. E eles guardariam o caminho de YHWH. O modo de vida por Ele projetado.

Não é este o propósito de Deus para cada chefe de família? Certamente. Por todas as gerações a família deve ser o lugar onde Deus é adorado, Sua Palavra é ensinada e obedecida e o caráter de cada geração é formado.

Tomamos do comentador bíblico, Matthew Henry, algumas ideias sobre o texto, ampliando-as: Abraão não apenas orava com sua família, mas ensinava-a como um homem de conhecimento. Ele ordenou sua casa como um homem em autoridade. Ele era profeta e rei, assim como sacerdote, na sua própria casa. Alguns destaques:

(1) Deus fizera aliança com Abraão e sua semente depois dele. Ele e seus filhos traziam o selo da aliança, a circuncisão. Com isto em mente, ele era muito cuidadoso em ensinar sua família e comandá-la bem. Os que esperam as bênçãos da família devem ter consciência dos deveres de família. Se nossos filhos são de Yahweh, devem ser cuidados para Ele. Se eles usam seu uniforme, devem ser treinados em Sua obra.

(2) Abraão cuidou não apenas dos seus filhos, mas da sua família, sua casa; seus servos foram discipulados. Os cabeças de família devem instruir e supervisionar a conduta de todos sob seu teto. Os servos mais pobres têm almas preciosas que devem ser levadas em conta.

(3) Abraão abraçou e cumpriu sua missão de promover a verdadeira religião prática no seio de sua família. Ele não encheu suas cabeças com questões de agradáveis especulações, nem disputas duvidosas. Ele os ensinou a observar o caminho de YHWH, e a praticar a retidão e a justiça, isto é, ser sérios e devotos na adoração a Deus e honestos em seu trato com todos os homens.

(4) Abraão, fazendo do seu lar um templo, tinha um olhar na posteridade, e cuidava não apenas para que sua família com ele, mas também sua família depois dele, guardasse o caminho de YHWH. Que a fidelidade a Deus florescesse em sua família quando ele já tivesse partido desta terra.

(5) Agir desta forma era o cumprimento das condições das promessas que Deus lhe havia feito. Só podem esperar o benefício das promessas os que têm consciência de seus deveres.

(6) A atitude de Abraão estaria na base de fazer dele uma canal de bênção para o mundo inteiro. “Em ti serão benditas todas as famílias da terra,” porque serás usado para cumprir o grande sonho da salvação da humanidade.

O que se conclui? Todo chefe de família que andar nas pegadas de Abraão, não somente garantirá uma descendência temente a Deus e sob Sua bênção, como também tocará outras famílias, gerações, e a própria nação. Este é nosso grande desafio!

O ALTAR DE DEUS NA FAMÍLIA

Era prática no Antigo Testamento a construção de altares de pedra, como lugar de adoração. Na Nova Aliança os altares materiais foram abolidos, mas o termo “altar” permanece como um símbolo do culto em família, conhecido como “culto doméstico.”

O termo “altar de Deus na família” simplesmente quer dizer um tempo separado pela família e gasto na presença de Deus. Refere-se às práticas regulares de oferecer em família adoração e devoção a Deus através da leitura da Bíblia, instrução, cânticos e oração. Estes são os sacrifícios oferecidos no altar da família. São sacrifícios espirituais.

Cada família cristã deve ter tal tempo diariamente. É a melhor garantia de ter filhos cristãos com bons padrões morais que não se movem pelos anos da adolescência. Para edificar uma família que tem um testemunho de Cristo na comunidade, e que leva a igreja a sério e gosta de ir a todos os cultos. Este é o espírito e ensino do decreto de 2012: Deuteronômio 6:4-9. O grande comando que YHWH deu a Israel, dá-nos a todos.

A adoração ao Senhor é antes de tudo vertical e então horizontal, e começa em casa e envolve a família inteira.

A palavra “altar” aparece pela primeira vez nas Escrituras Sagradas em Gênesis 8:20: “Edificou Noé um altar a YHWH; e tomou de todo animal limpo e de toda ave limpa, e ofereceu holocaustos sobre o altar.”

Em Gênesis 12:7 Abraão construiu um altar a YHWH em Siquém e invocou o nome de YHWH. Não há menção de sacrifícios. Em Gênesis 22:7, ele construiu um altar em Moriá para oferecer o seu filho Isaque. Em Êxodo 17:15, antes de receber a Lei no Monte Sinai, Moisés edificou um altar, ao qual chamou YHWH-Nissi”. Também não há menção específica de um sacrifício.

A Lei dada no Monte Sinai incluiu provisões para Moisés construir altares a YHWH (ver Êxodo 27:1-8 e 30:1-10). São referências à oferta de sacrifícios queimados de animais, grãos e incenso. Esses eram tipos e sombras no Antigo Testamento e tiveram sua realização em Cristo, “o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (Jo 1:29).

Cristo, pelo seu sacrifício na cruz, uma vez-para-sempre, trouxe a um fim o sistema sacrifical cerimonial do Antigo Testamento. Não precisamos mais de altares físicos, mas a palavra tornou-se o símbolo de um valor a ser conservado para sempre. Por isso a usaremos no tema: RESTAURAÇÃO DO ALTAR DE DEUS NA FAMÍLIA.

CITAÇÕES SOBRE A IMPORTÂNCIA DO CULTO DOMÉSTICO:

SEU LAR É UM LAR CRISTÃO? – “Sua casa só é um lar cristão se a Palavra de Deus é exaltada dentro da casa como ordena Deus que o seja”. Normal V. Williams, autor de How to Have a Family Altar (Como ter um Altar da Família).

SATANÁS ODEIA O ALTAR DA FAMÍLIA – “Deus não fez o curso e destino das nações e de indivíduos dependente das decisões de Congressos e Parlamentos, nem colocou este poder nas mãos de governadores e reis; mas Deus o colocou na família que ora! Eis porque o demônio não pode arruinar as nações de homens até que ele destrua as casas de oração! Eis porque Satanás odeia o altar da família”. Norman V. Williams

PRESERVA AS FUTURAS GERAÇÕES – “Ler a Palavra de Deus diariamente para seus filhos é não só uma boa ideia. É indispensável para a salvação da nossa nação. É crucial para a preservação de gerações futuras—nossos filhos, netos e bisnetos.” Nancy Campbell

TRAZ A BÊNÇÃO DE DEUS – “A vantagem e bênçãos da adoração em família são incalculáveis. Primeiro, a adoração em família prevenirá muito pecado. Ela maravilha a alma, transmite um senso da majestade de Deus e autoridade põe verdades solenes diante da mente e traz os benefícios de Deus sobre o lar”. Arthur Pink

O MELHOR INSTITUTO BÍBLICO

“O maior instituto Bíblico no mundo é um pai lendo a Bíblia aberta para sua família”. Norman V. Williams

SUA RESPONSABILIDADE – “O lar é a maior agência de Deus para a transmissão de Sua Palavra de uma geração à outra. Esta responsabilidade não pode ser passada para qualquer outra pessoa, nem pessoas, nem a qualquer outra agência. Não pode ser evitada sob pena de perda dolorosa de almas moribundas dos filhos e tudo que lhes concerne”. Norman V. Williams

INFLUENCIA O MUNDO – “Um vibrante, pulsante e fiel altar da família em casa despertará uma comunidade inteira para Deus! E não apenas uma comunidade, mas o mundo inteiro”! Norman V. Williams

O PROPÓSITO DO ALTAR DE DEUS NA FAMÍLIA

  1. Adorar a Deus juntos e aprender mais dos Seus caminhos.

Os filhos devem aprender a adorar Deus em seus primeiros anos para que tenham respeito por Ele nos anos posteriores. Eles devem aprender como considerá-lO e compreender que Ele é o Criador, Santo, a ser honrado em tudo que dizemos e fazemos.

  1. Honrar a Palavra de Deus. Desenvolver respeito por Ele, e viver de acordo com Ele.

Tiago diz, “E sede cumpridores da palavra e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos” (Tg 1:22). A casa é um bom lugar para praticar a exortação, “A palavra de Cristo habite em vós ricamente, em toda a sabedoria; ensinai-vos e admoestai-vos uns aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais, louvando a Deus com gratidão em vossos corações”(Col. 3:16).

Hoje em dia quando a Bíblia é posta fora das nossas escolas, devemos pô-la de volta em nossas casas e ensinar nossos filhos.

  1. Para estabelecer a família na fé, convicções pessoais, doutrina e valores.

As crianças e os jovens necessitam de convicções para enfrentar os embates da vida. Eles devem entender sua fé e saber algo da boa doutrina da Bíblia. Assim saberão em quê e porquê acreditam. O lar pode ser uma boa Escola Bíblica onde os filhos são firmados enquanto encaram os desafios da nossa sociedade moderna.

  1. Para orar pelos problemas e necessidades da família

Pais e filhos enfrentam desafios e necessidades a serem supridas. A oração em família desenvolverá a confiança no Deus que responde a oração e se envolve com as coisas cotidianas da vida.

Todos os membros da família têm necessidades pessoais. Seria bom se eles pudessem aprender a compartilhá-las abertamente e as levar ao Senhor juntos. Há necessidades da escola, problemas com companheiros, problemas de caráter tal como timidez e medos de todas as espécies, perguntas sobre divertimentos, finanças… Os adolescentes têm profundas necessidades e não gostam de expressá-las por medo de serem mal entendidos ou envergonhados. Seus problemas são grandes para eles e devem ser considerados. A mãe e o pai têm necessidades de todas as espécies. Necessidades financeiras, saúde, trabalho, e todos os tipos de coisas podem ser vencidas pela oração a Deus. Todos os membros da família devem saber que podem ter confiança em Deus e que Ele ouvirá e responderá suas orações.

Por fim, cada membro da família deve aprender a confiar em Deus e olhar para Ele como o provedor e protetor. Em outras palavras, Ele é nosso Pastor.

  1. Para orar e interceder por outros

O culto em família é ocasião propícia para cultivar o hábito de orar “uns pelos outros.” Interceder pelos pastores da Igreja, missionários, doentes, entes queridos não salvos, os vizinhos, irmãos na fé em necessidade, a igreja, nossos governantes, a nação, os que estão sendo julgados, perseguidos e presos por causa da fé…

RESPALDO BÍBLICO PARA A PRÁTICA DEVOCIONAL EM FAMÍLIA

Começando pelo Novo Testamento, notamos que pais cristãos tinham alegria em criar seus filhos “na disciplina e admoestação do Senhor” (Ef 6: 4). Isto, naturalmente, abraça muitas questões, inclusive a de uma ocasião diária para oração da família reunida.

A raiz da ideia no versículo é que o lar cristão deve funcionar como a primeira “escola” da criança no reino das coisas espirituais. Se isto é assim, que melhor ocasião do que esta reunião diária com o Senhor no “Altar da Família”? Nós podemos fazer muito para criar nossos filhos “na disciplina e admoestação do Senhor”, e contar com a presença maravilhosa do Senhor conosco nessas ocasiões.

Somos informados, por exemplo, da experiência de Timóteo. Paulo diz: “desde a infância sabes as sagradas letras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela que há em Cristo Jesus” (2Tm 3: 15).

Aprendemos que ele foi abençoado tendo uma mãe chamada Eunice que teve “fé autêntica”, bem como sua avó Loide:“Trazendo à memória a fé não fingida que há em ti, a qual habitou primeiro em tua avó Loide, e em tua mãe Eunice e estou certo de que também habita em ti” (2 Tim. 1: 5).

Não se pode questionar que foi nesse cenário doméstico que o menino Timóteo conheceu as Escrituras Sagradas, que o fizeram sábio para a salvação, pela fé em Cristo. A fé vem pelo ouvir, e ouvir a Palavra de Deus (Rm 10: 17). Não somos informados dos detalhes, mas podemos imaginar como, naquela casa em Listra, os filhos eram regularmente reunidos e a Palavra de Deus era aberta para eles pelos pais e avós que já tinham provado para si mesmos o poder de sua mensagem salvadora.

Nem imaginavam, naquela época, como o menino cativado diante delas estava destinado a tornar-se um companheiro escolhido do grande Apóstolo Paulo! Dia após dia, e pouco a pouco, a Palavra de Deus entrava no coração da criança atenta, e criava, como sempre o faz, uma bela “fé autêntica”. Nenhuma dúvida Loide e Eunice tiveram suas dificuldades em organizar estas ocasiões, pois havia complicações particulares na casa (At 16:1), mas, por sua “fé autêntica”, elas venceram as dificuldades, e bênçãos se lhes seguiram.

No Antigo Testamento, os israelitas foram expressamente mandados ser diligentes no ensino da Palavra de Deus aos seus filhos. Os termos de Deuteronômio 6:4-9 são muito claros. No capítulo 4:9-10 Moisés adverte: “Tão-somente guarda-te a ti mesmo, e guarda bem a tua alma, para que não te esqueças das coisas que os teus olhos viram, e que elas não se apaguem do teu coração todos os dias da tua vida; porém as contarás a teus filhos, e aos filhos de teus filhos; o dia em que estiveste perante YHWH teu Deus em Horebe, quando YHWH me disse: Ajunta-me este povo, e os farei ouvir as minhas palavras, e aprendê-las-ão, para me temerem todos os dias que na terra viverem, e as ensinarão a seus filhos.”

Alguns capítulos depois, quase que palavra por palavra, o Espírito repete a chamada do “Shema, Israel,” para armazenar as palavras de Deus nos corações e nas almas, e ensiná-las aos nossos filhos, adicionando palavras maravilhosas: “Ponde, pois, estas minhas palavras no vosso coração e na vossa alma; atá-las-eis por sinal na vossa mão, e elas vos serão por frontais entre os vossos olhos; e ensiná-las-eis a vossos filhos, falando delas sentados em vossas casas e andando pelo caminho, ao deitar-vos e ao levantar-vos; e escrevê-las-eis nos umbrais de vossas casas, e nas vossas portas; para que se multipliquem os vossos dias e os dias de vossos filhos na terra que o Senhor, com juramento, prometeu dar a vossos pais, enquanto o céu cobrir a terra” (Dt 11:18-21).

Convém aqui mencionar uma questão de tremenda importância neste contexto. A Epístola de Paulo aos Efésios dá um lugar destacado ao lar cristão. Nos seus primeiros capítulos encontramos doutrinas preciosas sobre a “Igreja.” Logo a seguir elas desembocam, de forma contundente, nas relações da família cristã. Vinte e um versículos são devotados a este assunto, e neles o Apóstolo pleiteia seriamente o estabelecimento de famílias que irão, em sua própria constituição e comportamento, expressar as verdades que ele acabara de delinear.

Não há qualquer menção de igrejas locais, de anciãos, diáconos, nem dos problemas de uma igreja local. Por este mesmo prisma o Espírito Santo cuidadosamente mostra que Deus intentou que o lar cristão seja o primeiro lugar do trabalho coletivo de redenção. É dentro do círculo familiar que Deus planeja ter a Sua gloriosa expressão inicial da “Igreja,” noiva do Cordeiro.

Em termos práticos, isto quer dizer que em todas as questões que envolvem o dia-a-dia da família, Cristo deve ter a preeminência. Ele deve ser conhecido e obedecido como Senhor em tudo. Sua vontade deve ser consultada e Suas direções seguidas. Sob o teto onde vive a família, Sua Pessoa, Seu Nome, deve ser adorado, exaltado e engrandecido. O LAR CRISTÃO, PARA TODOS OS EFEITOS DEVE SER A PRIMEIRA “IGREJA.”

Deus disse a Josué que se ele meditasse nas Escrituras “dia e noite,” seu caminho seria próspero e ele seria bem sucedido em tudo (Js 1: 8). Muitas são as famílias que já provaram a verdade dessa promessa, através da leitura diária da Palavra, juntos em família. Por esta simples prática, o que é espiritual tem um lugar de primazia e preeminência, que lhe pertence.

O QUE FAZER?

  1. Examinemo-nos honestamente à luz da Palavra e avaliemos o lugar que o culto doméstico tem tido em nossa família. Numa escala de 1 a 10, que nota daria?
  2. Deixemos que o Espírito Santo nos leve ao arrependimento genuíno por não termos obedecido este preceito fundamental para a reprodução da vida de Deus na vida dos nossos filhos.
  3. Peçamos a Deus para despertar nossas consciências e nosso espírito para a importância de emendar HOJE nossos caminhos, não importa a experiência passada.
  4. Busquemos de imediato estabelecer um programa para o estabelecimento do culto doméstico como um valor a ser vivido de forma consistente e perseverante.
  5. Propaguemos essa verdade nos púlpitos, nas células e onde a ocasião se fizer oportuna.
  6. Dependamos do Espírito Santo para cada passo na formação do hábito do culto doméstico.
  7. Pelo nosso exemplo e pela intercessão, engrossemos um movimento de restauração do Altar de Deus em cada família da Igreja e da nação.

Brasília, 18.01.12

+ Mídia