#100dias – 08 – Orvalho

Postado por em jan 28, 2014 no 100 dias - Plenitude da Unção, Blog

#100dias – 08 – Orvalho

#100DiasDeJejumEOração

DIA 8 (28.01) – NOMES E SÍMBOLOS DO ESPÍRITO SANTO – PARTE V

O ESPÍRITO SANTO COMO ORVALHO

O orvalho é um símbolo do Espírito Santo (Gn 27:28; Dt 32:2). Ele é referido no Antigo Testamento 36 vezes, retratando um refrigério adicional à escassez das chuvas temporã e serôdia. A primeira menção na Bíblia ao orvalho, é na bênção de Isaque a seu filho Jacó, depois de comer de seu guisado: “Que Deus te conceda, do céu, o orvalho, e, da da terra, a riqueza, com muito cereal e muito vinho” (Gênesis 27:28-BKJ).

Usando a lei da primeira menção, destacamos:
• É Deus Quem concede o orvalho.
• O orvalho desce do céu.

No cântico que Moisés ensinou aos filhos de Israel ele expressa belamente a figura do orvalho: “Goteje a minha doutrina como a chuva, destile a minha palavra como o orvalho, como chuvisco sobre a erva e como gotas de água sobre a relva. Eu vou proclamar o Nome de Yahweh.” (Deuteronômio 32:2,3a).

Jesus veio da linhagem de Israel e o Espírito Santo desceu do Pai como orvalho sobre o Filho. No Dia de Pentecoste, Deus mesmo deu o Seu Espírito, que desceu do céu como o orvalho para regar a semente do Evangelho que, desde então, tem frutificado na terra. E esse Orvalho tem continuado a descer sobre todos os Seus filhos, refrigerando-os e habilitando-os a produzir fruto.

Quando o povo de Israel estava no deserto, o orvalho trazia consigo o pão que lhes mantinha a vida. Lemos: “E, quando o orvalho descia de noite sobre o arraial, o maná descia sobre ele” (Números 11:9). Com o orvalho da manhã descia o maná do céu. Por analogia, na manhã de Pentecoste o Espírito Santo, Orvalho de Deus, desceu sobre a companhia dos discípulos e, logo a seguir fez com que o “Pão vivo que desceu do Céu e dá vida ao mundo”, Jesus, penetrasse o coração de cerca de 3000 pecadores mortos que, por Ele, passaram a viver. E Ele continua a trazer consigo, a cada manhã, o Maná que nos preserva a vida e a frutificação.

De todas as vezes que o orvalho aparece na Bíblia, nada mais belo e significativo como o relato de Oséias, capítulo 14 (leia o capítulo).
Que bela série de figuras poéticas Deus dá-nos sobre o Seu povo e Seu relacionamento com Ele neste maravilhoso texto das Escrituras! Depois de apelar à sua conversão e declarar-lhe Seu amor e perdão, apresenta-se nestes termos:

“Eu serei para Israel como o orvalho.” (v. 5) Tendo se apresentado como tal, Ele, então, descreve Israel em uma série de belas símiles: como o lírio; lançará suas raízes como o Líbano; ramos que se estendem; esplendor como da oliveira; uma fragrância como a admirável essência dos cedros do Líbano (versículos 5-6). Israel “deve renascer como o trigo”; “florescer como a videira”; e seu aroma como o vinho do Líbano (versículo 7).

Quantas maneiras Deus usa para retratar Seu povo: um lírio, um cedro do Líbano, uma oliveira, trigo e videira. E, em seguida, Ele diz que seu povo é “como cipreste verde” (versículo 8), isto é, permanece verde em todas as estações. Quando Ele tenta descrever Seu povo, vê tantas belezas que não pode colocá-las em uma única figura. Faz, então, desfilar todas essas sucessivas belezas, para que não suceda que alguém diga: “Bem, Ele falou sobre árvores, mas os cedros do Líbano não dão frutos.” É verdade, mas há a videira que tem frutos; e Deus diz, “de mim procede o teu fruto” (versículo 8). Tudo isto podemos aplicar à Igreja, pela obra do Espírito Santo de Deus.

Todas as plantas que Deus menciona são coisas vivas, que crescem. Observe como Ele diz que Seu povo crescerá: ele “florescerá como o lírio” (Oséias 14:5). Jesus disse certa vez: “Olhai os lírios; como eles crescem” (Lucas 12:27; Mateus 6:28). A mente de um Judeu bem informado teria se lembrado dessa passagem de Oséias. Portanto, nós, também, devemos levar em consideração a palavra de Jesus e ver os lírios florescendo. Os lírios e a beleza de todas as flores e árvores devem imensamente ao orvalho que Deus envia do céu. O orvalho mantém as coisas frescas, vivas e frutíferas. Assim é a operação do Espírito em nossa vida.

Podemos parafrasear Oséias e dizer: “Eu serei para Minha Igreja como o orvalho; ela florescerá como o lírio, e lançará as suas raízes como o Líbano.”

A VINDA DO ESPÍRITO É COMO O ORVALHO

O orvalho durante todo o dia fica suspenso na atmosfera esperando apenas o momento oportuno para formar-se em gotas e cair sobre cada lâmina de grama que está sedenta por beber dela. Assim o bendito Espírito de Deus, que está sempre se movendo em todos os lados em torno de nós, de forma invisível, mas não totalmente despercebido. Ele espera a hora em que o brilho deste mundo se desvanece e nosso coração, como no frescor da madrugada, está preparado para recebê-lo. O Espírito está sempre em contato com os nossos corações. Gentilmente, ainda assim com firmeza, inclinando-nos a abraçar Jesus como Senhor e a viver por Ele e para Ele.

O orvalho cai muito mais plenamente sobre a relva que está sedenta dele do que sobre as pedras que não anseiam por ele. O Espírito Santo está em cada cristão; todavia a plenitude da Sua graça vem para aqueles que realmente estão sedentos dEle.
O EFEITO DO ESPÍRITO SANTO, COMO ILUSTRADO PELO CRESCIMENTO DAS PLANTAS QUANDO REGADAS PELO ORVALHO.
O profeta ilustra a beleza do lírio, a fecundidade da azeitona, e a profunda força do cedro do Líbano. Cada um tem as suas propriedades peculiares, mas todas são alimentadas e levadas à perfeição pelo orvalho. O Espírito Santo foi dado a Jesus, sem medida; por conseguinte, em Jesus todas as graças e todos os dons são combinados; cada um perfeito, e nenhum se choca com o outro. Na mansidão e na firmeza, na profundidade do pensamento e na atividade do trabalho, Ele esteve sozinho, o homem perfeito, e somente nEle as palavras do profeta se cumprem plenamente.
Então, usando as palavras do profeta Oséias, o crente em Cristo “florescerá como o lírio e lançará as suas raízes como o cedro do Líbano”, símbolos da graça, do amor, da fidelidade e da força que nos habilitarão a resistir todas as intempéries da vida e os hostis ataques inimigos, e vencer. Abramo-nos, pois, ao derramar em nossos corações, suavemente e até de modo silencioso, desse Orvalho Divino, precioso Consolador, que nos infunde força, coragem, fé e poder para crescer a cada dia na semelhança de Jesus e produzir muito fruto, pois para tanto Ele desce sobre nós.

ORAÇÃO

Precioso Espírito Santo, como a erva seca suspira pelo orvalho do crepúsculo e da aurora, minha alma tem sede de Ti. Tranco as portas e janelas da minha alma para os esplendores deste mundo, e mergulho na quietude e no frescor da noite pela contemplação da Tua pessoa, em adoração. Desce sobre mim como orvalho, encharcando todo o meu ser. Habilita-me a exibir a vida e beleza, como os lírios do campo. A lançar as raízes profundas da comunhão contigo, como o cedro do Líbano. A produzir frutos sazonados como o trigo, a videira e a oliveira. Oh, Orvalho de Deus que desceu no Céu e aqui permaneces, vem sobre mim a cada manhã.