#100dias – 10 – Chuva Serodia

Postado por em jan 30, 2014 no 100 dias - Plenitude da Unção, Blog

#100dias – 10 – Chuva Serodia

#100DiasDeJejumEOração

DIA 10 (30.01) – NOMES E SÍMBOLOS DO ESPÍRITO SANTO – PARTE VII

O ESPÍRITO SANTO COMO CHUVA SERÔDIA OU ÚLTIMAS CHUVAS

A chuva serôdia ou últimas chuvas, na Bíblia, tornou-se um símbolo do derramamento do Espírito Santo. Tanto a chuva quanto o Espírito nos são enviados por Deus como uma demonstração do Seu amor e cuidado para com a vida humana.

Podemos encontrar, em primeiro lugar, uma perspectiva escatológica no uso da imagem da chuva serôdia. Deus descreveu a futura restauração do Seu povo usando a linguagem da chuva para ilustrar a obra do Espírito Santo: “Porque derramarei água sobre o sedento, e correntes sobre a terra seca; derramarei o meu Espírito sobre a tua posteridade, e a minha bênção sobre a tua descendência” (Isaías 44:3). “Até que sobre nós o Espírito seja derramado do alto, o deserto seja transformado em campo fértil, e o campo fértil pareça uma floresta” (Isaías 32:15).

Em Joel, depois de anunciar a vinda das primeiras e últimas chuvas (2:23), Deus fala do derramamento do Espírito: “derramarei o meu Espírito sobre todas as pessoas. Os vossos filhos e filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos mancebos terão visões” (2:28).

Em segundo lugar, a imagem das primeiros e últimas chuvas poderia ser aplicada em pelo menos duas diferentes obras poderosas do Espírito no seio da igreja: Uma, relacionado com a experiência de Pentecostes, e a outra com os eventos pouco antes do retorno de Cristo.

PRIMEIRAS CHUVAS

A obra escatológica do Espírito Santo, anunciada por Joel, foi parcialmente cumprida durante o Seu derramar no dia de Pentecostes (Atos 2:18). Tal experiência poderia ser chamada de as “primeiras chuvas.” Chuvas do início da estação. No ministério terreno de Jesus as sementes da Palavra, que Ele representa, foram plantadas no coração dos ouvintes. Mas foi necessário descerem as “primeiras chuvas” para que os frutos se manifestassem. Que frutos? Filhos de Deus, nascidos pela obra regeneradora de Cristo, administrada pelo Espírito Santo no coração da humanidade.

A promessa em Joel fala ainda sobre “o grande e glorioso dia de Yahweh,” sugerindo que a maior manifestação do Espírito ainda deveria ser esperada (cf. Atos 2:19,20). Tiago faz uma declaração reveladora neste aspecto. “Sede pois, irmãos, pacientes até à vinda do Senhor. Eis que o lavrador aguarda com paciência o precioso fruto da terra, até receber as primeiras e últimas chuvas” (5:7). Podemos dizer que no Dia de Pentecostes caíram as primeiras chuvas, que permitiram o início da colheita de frutos para Deus. Desde então vivemos na estação das chuvas.

ÚLTIMAS CHUVAS

Ainda aguardamos as últimas chuvas, a “chuva serôdia” que nos lançarão na plenitude da colheita dos frutos. Tiago está dizendo que Jesus só voltará quando o último fruto (filho de Deus) for colhido da terra como resultado das “últimas chuvas.” Isto é, derramar do Espírito Santo de Deus. O gemer do nosso espírito hoje, é por ele. Aqui vale lembrar a recomendação do profeta Zacarias: “PEDI a Yahweh chuva no tempo da chuva serôdia, sim, a Senhor que faz relâmpagos; e lhes dará chuvas abundantes, e a cada um erva no campo” (10:1).

Este trabalho futuro do Espírito irá acompanhar e capacitar a proclamação da última mensagem de juízo e salvação para a raça humana. É para este evento, que Apocalipse 18:1 aponta. Um anjo, representando Deus (Ezequiel 43:2), desceu do céu com grande autoridade, iluminando a terra com a sua glória, e adicionando força à proclamação ao mundo da mensagem dos três anjos de Apocalipse 14:6-12. Tal manifestação do Espírito poderia ser chamada a “chuva serôdia” ou “últimas chuvas.”

Antes do retorno de Cristo, o poder do mal realizará “grandes sinais” e seduzirá “os que habitam sobre a terra por causa dos sinais” (Apocalipse 13:13,14; 1 Tim. 4:1). Todavia, Deus também vai manifestar a gloriosa força do Seu poder, infinitamente superior ao do mal, através da obra do Espírito no meio de Seu povo, nesse último derramar da “chuva serôdia.” Porventura não entramos nesse tempo?

Ninguém se iluda. A despeito da maldade se multiplicar na terra, o Espírito está agindo de forma soberana. Há mais seres vivos no planeta, por causa da explosão populacional reservada para esta geração, do que que os que já morreram. O derramar das últimas chuvas nos habilitarão e ser os instrumentos de Deus para a consumação da visão que do Seu coração não se aparta. Eis a visão do capítulo final da história da redenção, administrada pelo Santo Espírito, até que Cristo volte:

“Depois destas coisas olhei, e eis aqui uma multidão, a qual ninguém podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, que estavam diante do trono, e perante o Cordeiro, trajando vestes brancas e com palmas nas suas mãos; E clamavam com grande voz, dizendo: Salvação ao nosso Deus, que está assentado no trono, e ao Cordeiro… Estes são os que vieram da grande tribulação, e lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro. Por isso estão diante do trono de Deus, e o servem de dia e de noite no seu templo; e aquele que está assentado sobre o trono os cobrirá com a sua sombra. Nunca mais terão fome, nunca mais terão sede; nem sol nem calma alguma cairá sobre eles. Porque o Cordeiro que está no meio do trono os apascentará, e lhes servirá de guia para as fontes das águas da vida; e Deus limpará de seus olhos toda a lágrima” (Apocalipse 7:9-17).

PREPAREMO-NOS PARA AS ÚLTIMAS CHUVAS

Os agricultores não esperam a chuva chegar antes que comecem a cultivar seus campos e plantar as sementes. Eles aram a terra, preparando o solo para receber as sementes. Depois plantam-nas, crendo que a chuva descerá no tempo próprio, provocando sua germinação. Como crentes em Jesus, devemos nos preparar para as últimas chuvas, pedindo ao Espírito Santo para sondar os nossos corações. Que Ele nos ajude a revolver a terra do nosso ser, lavrá-la criteriosamente pelo arrependimento de qualquer coisa que desagrada a Deus e plantar ali a semente da Sua santa Palavra.

Durante estes cem dias, estamos nos preparando, em jejum e oração, clamando por essas chuvas que nos trazem a plenitude da habilidade Divina para que sejamos instrumentos capazes nessa colheita de filhos para Deus no tempo do fim. Sejamos diligentes!

Você está pronto(a)? Você está desesperado(a) para ver este derramar do Espírito Santo em sua vida? Deseja ardentemente, tem fome intensa, sede desesperadora de Deus, na expectativa de que Ele vir sobre você com um enchimento fresco do Seu Espírito Santo? Quer se encharcar nas refrescantes chuvas do Espírito? Será que você tem consciência de que precisamos dessa chuva do céu para a nossa própria sobrevivência? Está o coração arrependido e pronto a dizer: “Senhor, Não importa o preço, estou pronto(a) a fazer o que for necessário, mas eu quero a PLENITUDE DO TEU ESPÍRITO EM MINHA VIDA?” Deus atenderá sua oração.

ORAÇÃO:

Querido Pai celestial, sou como a terra seca, exausta e cansada, precisando da chuva do Teu Santo Espírito. Estou disposto(a) e preparado(a) para corrigir qualquer coisa e rever tudo o que possa reter a chuva do céu de vir a mim. Por favor mostra-me as áreas da minha vida que Te desagradam. Ajuda-me a arrepender-me e buscar-Te com todo o meu coração. Desesperadamente quero este derramar do Teu Espírito Santo. Eu te amo, Senhor. Eu Te adoro.