#100dias – 33 – Inspiração e Iluminação

#100dias – 33 – Inspiração e Iluminação

Postado por em fev 28, 2014 no 100 dias - Plenitude da Unção, Blog

#100dias – 33 – Inspiração e Iluminação

#100DiasDeJejumEOração

DIA 33 (22.02) – A OBRA DO ESPÍRITO SANTO NA REDENÇÃO (1)

INSPIRANDO E ILUMINANDO

Vivemos na dispensação do Espírito Santo. Ele é o Vice Regente de Cristo. O “outro Consolador”, que veio a fim de estar conosco e em nós, para sempre (João 14:16,17), a fim de efetuar a obra da redenção em todas as suas facetas. Quando Jesus disse: “Não vos deixarei órfãos; voltarei para vós”, referia-a a estar presente, através do Consolador. Esta promessa se cumpriu no Dia de Pentecostes (Atos 2) e, desde então, vemo-lO muito ativo na salvação de um crente.

Começaremos olhando para a obra do Espírito ligada à Revelação escrita. As Sagradas Escrituras, nossa “regra de fé e prática”, tesouro inigualável, que nos revela a Pessoa do nosso Deus e Pai e a grande obra da redenção.
O Espírito Santo inspirando

A Bíblia é mais que um livro. É fonte de revelação Divina. É a infalível Palavra de Deus. O Apóstolo Paulo declara: “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça” (2Timóteo 3:16).

Inspirar quer dizer “soprar.” Foi este sopro especial do Espírito sobre os escritores Bíblicos que os influenciou a escrever, não o produto do seu próprio pensamento, mas o registro da verdade infalível revelada, que mostra a vontade de Deus para o homem.

A Pessoa do Espírito Santo foi responsável por inspirar os escritores sagrados. “Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo.” (1 Pedro 1:21)
O Antigo e o Novo Testamentos são inspirados. Os escritores do Novo Testamento referem-se às Escrituras do Antigo, como tendo sido a palavra do Espírito Santo: “Irmãos, convinha que se cumprisse a Escritura que O ESPÍRITO SANTO proferiu anteriormente por boca de Davi, acerca de Judas, que foi o guia daqueles que prenderam Jesus” (Atos 1:16).

“O próprio Davi falou, PELO ESPÍRITO SANTO: Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos debaixo dos teus pés” (Marcos 12:36).

“Mas Deus no-lo REVELOU PELO ESPÍRITO; porque o ESPÍRITO a todas as coisas perscruta, até mesmo as profundezas de Deus. Porque qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o seu próprio espírito, que nele está? Assim, também as coisas de Deus, ninguém as conhece, senão O ESPÍRITO DE DEUS. Ora, nós não temos recebido o espírito do mundo, e sim O ESPÍRITO QUE VEM DE DEUS, para que conheçamos o que por Deus nos foi dado gratuitamente. Disto também falamos, não em palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas ensinadas pelo ESPÍRITO, conferindo coisas espirituais com espirituais” (1Coríntios 2:10-13).

QUAL A EXTENSÃO DA INSPIRAÇÃO?

1. Apalavra de Deus foi diretamente recebida. O Decálogo, ou as cláusulas da Aliança, que contêm a súmula da lei moral, foi escrito por Deus. Lemos: “As tábuas eram obra de Deus; também a escritura era a mesma escritura de Deus, esculpida nas tábuas” (Êxodo 32:16).

2. As palavras eram escritas à medida que o Espírito se movia sobre os escritores: “Disse mais Yahweh a Moisés: Escreve estas palavras, porque, segundo o teor destas palavras, fiz aliança contigo e com Israel” (Êxodo 34:27).

3. O Espírito Santo se movia sobre as pessoas, de tal modo que suas bocas eram, literalmente, cheias com as palavras que eles falavam, conforme diz Davi no fim de sua vida: “O Espírito de Yahweh falou por mim, e a Sua Palavra está na minha boca” (2 Samuel 23:2).

• “E, porque vós sois filhos, enviou Deus ao nosso coração o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai!” (Gálatas 4:6).
• “E, quando vos entregarem, não cuideis em como ou o que haveis de falar, porque, naquela hora, vos será concedido o que haveis de dizer” (Mateus 10:19).

4. O conteúdo do registro da Palavra de Deus era revelado, embora a escolha das palavras para expressar a mensagem da revelação, ficasse com o escritor. Vemos isto exemplificado no relato do apóstolo João: “Na verdade, fez Jesus diante dos discípulos muitos outros sinais que não estão escritos neste livro. Estes, porém, foram registrados para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome” (João 20:30-31).
Por tudo isto, e muito mais, a Bíblia Sagrada é poderoso instrumento do Espírito Santo na nossa regeneração e formação do nosso caráter de filhos de Deus. Cumpre-nos encher-nos de sua revelação, na dependência dEle, e provaremos a realidade de que ela é “lâmpada para os nossos pés e luz para os nossos caminhos” (Salmo 119:105).

O ESPÍRITO SANTO ILUMINANDO

O Espírito Santo, que é o autor do Livro Sagrado, agora ilumina o seu conteúdo, a fim de que possamos compreendê-lo. Ele nos persuade com sua luz. No sentido espiritual, provamos o que o cego curado por Jesus disse: “Se Ele (Jesus) é pecador, não sei; uma coisa sei: eu era cego e agora vejo” (João 9:25). Sem a iluminação do Espírito Santo lemos a Bíblia como “cegos” espirituais; mas com ela, “agora vemos!”

A humanidade precisa dessa iluminação, porque, por natureza, é espiritualmente cega. “O homem natural não recebe as coisas de Deus ” (1 Coríntios 2:14). A menos que o Espírito Santo revele ou ilumine as coisas, ele continuará espiritualmente cego. A Bíblia será um livro selado. Paulo descreve belamente esse papel do Espírito Santo de Deus nestes termos:

“As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem, são as que Deus preparou para os que o amam. Mas Deus no-lo revelou pelo Espírito; porque o Espírito a todas as coisas perscruta, até mesmo as profundezas de Deus. Porque qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o seu próprio espírito, que nele está? Assim, também as coisas de Deus, ninguém as conhece, senão o Espírito de Deus. Ora, nós não temos recebido o espírito do mundo, e sim o Espírito que vem de Deus, para que conheçamos o que por Deus nos foi dado gratuitamente. Disto também falamos, não em palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas ensinadas pelo Espírito, conferindo coisas espirituais com espirituais. Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. Porém o homem espiritual julga todas as coisas, mas ele mesmo não é julgado por ninguém. Pois quem conheceu a mente do Senhor, que o possa instruir? Nós, porém, temos a mente de Cristo. (1 Coríntios 2:9-16).
Aleluia!

ORAÇÃO

Meu Deus, fico maravilhado(a) diante da grandeza insondável de Tua revelação escrita. Quanto amor e graça para legar-nos o tesouro inesgotável da Bíblia Sagrada, expressão do que és, em Tua Divindade. Graças pelo Espírito Santo, veículo de tão elevada revelação, que não somente inspirou o seu registro, mas nos ilumina o espírito e a mente para que possamos entendê-la, abraçá-la e vivê-la com todo o nosso coração. Amém!

Post a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *