#100dias – 94 – O Espírito Santo e o Autocontrole

#100dias – 94 – O Espírito Santo e o Autocontrole

Postado por em abr 23, 2014 no 100 dias - Plenitude da Unção, Blog

#100dias – 94 – O Espírito Santo e o Autocontrole

#100DiasDeJejumEOração

DIA 94 (24.04) – O FRUTO DO ESPÍRITO SANTO NO CRENTE (47)

DOMÍNIO PRÓPRIO(egkrateia) (4)

 “Mas o fruto do Espírito é … Domínio próprio (Gálatas 5:23).

O ESPÍRITO SANTO E O AUTOCONTROLE

É interessante analisar o domínio próprio ou autocontrole numa palavra de Paulo a Timóteo: “Por cujo motivo te lembro que despertes o dom de Deus que existe em ti pela imposição das minhas mãos Porque Deus não nos deu o espírito de temor, mas de fortaleza, e de amor, e de moderação (2 Timóteo 1:6-7). Na versão Amplificada: “Porque Deus não nos deu um espírito de timidez (de covardia, de covarde e servil e medo bajulador), mas [Ele nos deu um espírito] de poder, de amor e de calma e mente equilibrada e disciplina e autocontrole (AMP).

De acordo com a Concordância de Strong, a palavra final do versículo 7 é um substantivo que significa “disciplina” ou “autocontrole”. Várias traduções modernas traduzem-na como “autocontrole”, também “equilíbrio”, “sobriedade”, “autodisciplina”, “autocontenção” e “sábia discrição.”

A primeira obra do Espírito Santo em nós é a recriação ou regeneração do nosso espírito, no momento da conversão. A partir de então, Ele realiza uma obra de transfigurar-nos, de um degrau a outro, na imagem de Cristo (2 Coríntios 3:18). Formar Cristo em nós é a meta (Gálatas 4:19). Convém lembrar que o “fruto” do Espírito de Deus está escrito no singular. Trata-se de um “fruto,” um “cacho” contendo de forma equilibrada o que é necessário para tornar um filho de Deus completo.

Aqui, Paulo coloca o “autocontrole” ao lado de mais atributos importantes como a coragem, poder e amor. Isto mostra que Deus, pelo Seu Espírito, está formando filhos de coragem, poder e amor e que sabem se autogovernar, sensatos, sóbrios, disciplinados, equilibrados, autocontrolados no seu modo de vida. Paulo acrescenta mais a este conceito de autocontrole em Tito 2:11-14: “Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens… o qual Se deu a Si mesmo por nós para nos remir de toda a iniquidade, e purificar para si um povo seu especial, zeloso de boas obras.”

Uma razão pela qual Deus nos deu a graça é para a expressão do autocontrole. Não se pode imaginar um cristão preparando-se para o Reino de Deus, que não se esforça por mantar o governo de si mesmo. Impossível permitir que suas paixões e desejos se expressem com liberdade desenfreada. Isto é o que o mundo faz! Quando assistimos a uma tal demonstração, temos fortes indícios de que a pessoa não é convertida. A paixão cega jamais pode ser nosso guia. Quem se deixa guiar por suas paixões animais, terminará em destruição. “De Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará” (Gálatas 6:7).

O amor de Deus por nós impulsionará o Seu Espírito, que em nós habita, a fim de que respondamos em coragem, força, amor e autocontrole. Ele nos habilitará a governar a nós mesmos. Não podemos permitir que o autocontrole seja depreciado em nossas mentes como algo sem grande importância, só porque estamos convencidos de que “Cristo fez tudo por nós.” Também não podemos permitir que tal depreciação nos leve a abusar da misericórdia e da graça de Deus.

O domínio próprio é um atributo do nosso Criador, que Jesus exemplificou em Sua vida e Paulo nos exorta a exercer em nosso viver. Se quisermos ser transformados na imagem de Cristo, temos de nos render ao Espírito Santo nesta matéria. Então glorificaremos a Deus com a nossa moderação em todas as coisas e firme resistência ao pecado.

DOMÍNIO PRÓPRIO: BATALHA QUE DURA TODA A VIDA.

A moderação é a chave mestra do domínio próprio. Não devemos fazer nada mal, e o bem que fizermos, façamo-lo com moderação. O excesso geralmente é tão prejudicial quanto fazer o mal. Pode-se comer, dormir, beber com moderação. Todas estas coisas são naturais, boas, imprescindíveis. Mas, quando seus limites são excedidos, conduzem a muitas dificuldades que levam ao desprestígio. Todo extremismo, deve ser rejeitado, pois ele não merecem segurança, nem confiança.

Para poder gozar do fruto da tolerância ou domínio próprio, necessitamos a imperiosa ajuda do Espírito Santo. É uma tarefa difícil, pois durante toda a vida temos que lutar por ser moderados. Da juventude até à velhice devemos nos esforçar na busca do domínio próprio. É uma batalha ingente contra todos os dardos inflamados do maligno. Todas as virtudes cristãs podem ser conquistadas; todas as debilidades e os maus hábitos podem sem vencidos. Se nos deixarmos encher do Espírito Santo, a moderação brotará de nosso coração como uma fragrante e delicada flor.

Querer é poder. Se dependermos de Deus e colaborarmos com o Espírito Santo, o domínio próprio será uma realidade. É imprescindível pôr nossa vontade na busca do lucro de tão louvável conquista. A vontade é o poder dominante da mente. Tudo o que nos propomos fazer com a ajuda do Senhor, o faremos! “Tudo posso em Cristo que me fortalece” (Filipenses 4:13). Todos desejamos corrigir nossos erros, fazer o bem e resistir o mal.

A moderação ou domínio próprio produz uma profunda fortaleza interior; ela é parte da colheita do Espírito que devemos desejar zelosamente. Se somos temperantes, gozaremos do respeito e confiança dos demais, teremos um testemunho bem-sucedido e o ministério que o Senhor colocou em nossas mãos será coroado de êxito.

CONCLUSÃO

Enquanto alguém coopera com Deus em fazer Sua Vontade, o “domínio próprio” será uma consequência natural (neste caso, a evidência de que alguém está andando no Espírito).

Não podemos subestimar a importância de desenvolver o “domínio próprio” em nossas vidas.

  • Sem ele, não podemos derrotar as tentação que nos sobrevém;
  • Sem ele, não podemos vencer as obras da carne;
  • Sem ele, não podemos crescer como deveríamos em Cristo;
  • Sem ele, não podemos dar o fruto do Espírito!

Entretanto, em Cristo, temos cada razão, cada motivação, para desenvolver a virtude do “domínio próprio.”

  • Fomos libertos do domínio do pecado;
  • Somos apoiados por Deus por meio da habitação de Seu Espírito em nós;
  • Temos a segurança do perdão quando caímos (1 João 1:9), sabendo que sempre e quando estivermos dispostos a nos arrepender e o tentemos de novo, haverá auxílio de Deus!

“Se vivemos pelo Espírito, andemos também pelo Espírito” (Gálatas 5:25)

Na verdade, Deus nos salvou mediante o lavar da regeneração e renovação pelo Espírito Santo(Tito 3:5). Ele fez com que “nascêssemos da água e do Espírito” (João 3:5). Posto que em nosso batismo em Cristo Ele nos fez viver pelo Espírito de Deus, não devemos procurar andar de forma tal que produzamos todo o fruto do Espírito em nossas vidas? Certamente! Queremos Sua PLENITUDE!

ORAÇÃO

Santo Espírito de Deus, graças por Tua obra de recriação do meu espírito e por habitares em mim. Graças pela obra da minha transfiguração na verdadeira imagem do Senhor Jesus. Vive Sua vida em mim e através de mim e Teu fruto que se expressa no amor, alegria, paz, paciência, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio, será o ornamento do meu caráter. Amém.

Post a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *