#100dias – 62 – A Fonte da Paz

Postado por em mar 28, 2014 no 100 dias - Plenitude da Unção, Blog

#100dias – 62 – A Fonte da Paz

#100DiasDeJejumEOração DIA 62 (23.03) – O FRUTO DO ESPÍRITO SANTO NO CRENTE (15) O FRUTO DO ESPÍRITO É paz (2)  “Mas o fruto do Espírito é … Paz” (Gálatas 5:22) Tendo definido a paz como uma bênção que deve ser desejada e desfrutada por todos, consideremos o que a Bíblia tem a dizer sobre A FONTE DESTA PAZ. JESUS É A FONTE DA NOSSA PAZ Isaías, profetizando sobre o Messias que haveria de vir, dentre os títulos que lhe dá está o de “PRÍNCIPE DE PAZ” (9:6-7). Paulo, pregando na casa de Cornélio, declara que Deus enviou uma Palavra “anunciando a paz por Jesus Cristo” (Atos 10:36). Certamente Sua mensagem ao mundo era uma palavra de PAZ, de reconciliação do homem com Deus. Jesus, como Fonte e a Paz personificada, oferece aquela que o mundo não é capaz de dar. Eis a promessa: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; Eu não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize” (João 14:27). E o tipo de paz que Jesus oferece, suporta o teste da tribulação. “Tenho-vos dito estas coisas, para que em mim tenhais paz. No mundo tereis tribulações; mas tende bom ânimo, eu venci o mundo” (João 16:33). A PAZ QUE JESUS TRAZ ENVOLVE: A PAZ COM DEUS (Romanos 5:1-11) Que vem quando somos “justificados pela fé”: “Justificados, pois, pela fé, tenhamos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo” (5:1) Que é acompanhada de gozo e amor, até mesmo na tribulação: “Por quem obtivemos também nosso acesso pela fé a esta graça, na qual estamos firmes, e gloriemo-nos na esperança da glória de Deus. E não somente isso, mas também gloriemo-nos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a perseverança, e a perseverança a experiência, e a experiência a esperança; e a esperança não desaponta, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado” (5:2-5) Que é tornada possível pelo amoroso sacrifício e sangue de Jesus: “Pois, quando ainda éramos fracos, Cristo morreu a seu tempo pelos ímpios. Porque dificilmente haverá quem morra por um justo; pois poderá ser que pelo homem bondoso alguém ouse morrer. Mas Deus dá prova do seu amor para conosco, em que, quando éramos ainda pecadores, Cristo morreu por nós. Logo muito mais, sendo agora justificados pelo Seu sangue, seremos por ele salvos da ira” (5:6-9) E continua pela virtude de Sua vida ressuscitada: “Porque se nós, quando éramos inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de Seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela Sua vida. E não somente isso, mas também nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, pelo qual agora temos recebido a reconciliação” (5:10-11). A PAZ COM O PRÓXIMO (Efésios 2:11-22) Os judeus e os gentios, uma vez distanciados um do outro, podem estar em paz, em...

Leia Mais »

#100dias – 61 – Paz

Postado por em mar 28, 2014 no 100 dias - Plenitude da Unção, Blog

#100dias – 61 – Paz

#100DiasDeJejumEOração DIA 61 (22.03) – O FRUTO DO ESPÍRITO SANTO NO CRENTE (14) O FRUTO DO ESPÍRITO É paz (1)  “Mas o fruto do Espírito é … Paz” (Gl. 5:22) O Fruto do Espírito chamado “Paz,” é o terceiro da lista de Paulo em Gálatas 5:22. Palavra tão pequena, mas que expressa a aspiração dos povos e de todos os seres humanos. Esta é uma palavra presente na mídia todos os dias, porque vivemos em meio a diversos conflitos, e há sempre conversações ou tentativas de paz em vários lugares no mundo. Todavia, embora se discuta a paz, se façam tratados de paz, se criem forças de paz, o mundo não sabe de fato o que é a verdadeira paz. Mas alguém perguntaria: O que é esta “paz” desfrutada por aqueles que caminham no Espírito? Como chega alguém a ter esta paz? Como podemos estar seguros de conservá-la e desfrutá-la em sua magnitude? Examinemos as Escrituras, buscando resposta a tais perguntas. DEFININDO A “PAZ” A paz é definida, algumas vezes, em termos negativos. Como se ela fosse simplesmente a ausência de conflito. Por exemplo: “A única condição de paz neste mundo é não ter ideias, ou, ao menos, não as expressar.” (Oliver Wendell Holmes). “O que conhece a paz, abandonou o desejo”. (Bhagavad Gita) Mas uma definição bíblica de paz inclui elementos positivos. A palavra grega é “eirene,” definida como: “A paz entre indivíduos, por exemplo, harmonia, concórdia” (Thayer). Uma concepção distintivamente peculiar ao Novo Testamento, é o estado de tranquilidade de uma alma confiada em sua salvação, por meio de Cristo, e assim não temendo nada de Deus, e contente com sua parte terrestre, qualquer que seja. Em hebraico a palavra é “paz” é “shalom.” Denota muito mais do que a ausência de guerra e conflito. O significado básico de shalom é harmonia, plenitude, firmeza, bem-estar e êxito em todas as áreas da vida. Em vez de uma simples ausência de conflito, a paz que Deus provê é uma condição positiva em natureza, na qual há comunhão ativa, harmonia e concórdia entre os indivíduos. Aqui está como a virtude da paz é descrita em alguns diferentes dicionários da Bíblia e comentários: A presença e experiência de relacionamentos corretos; A tranquilidade de alma; Sentido de bem-estar e realização que vem de Deus, e é dependente da Sua presença; A tranquilidade interior do cristão, cuja confiança está em Deus, por meio de Cristo; Tranquilidade, descanso, harmonia,  ausência de agitação ou discórdia. A qualidade da é uma das principais virtudes que deve ser trabalhada em nós, através do Espírito Santo, no processo da santificação. Sem a paz de Deus operando em nossa vida, podemos nos tornar muito facilmente sacudidos, atormentados e retirados de cena, na primeira vez que qualquer adversidade venha ao nosso encontro. CONCEITO BÍBLICO DE PAZ A PAZ, fruto do Espírito, tem sua origem no Espírito Santo.  Primeiro, ela...

Leia Mais »

#100dias – 60 – Alegria eterna

Postado por em mar 28, 2014 no 100 dias - Plenitude da Unção, Blog

#100dias – 60 – Alegria eterna

#100DiasDeJejumEOração DIA 60 (21.03) – O FRUTO DO ESPÍRITO SANTO NO CRENTE (14) O FRUTO DO ESPÍRITO É ALEGRIA (5) Começamos a reflexão de hoje com as palavras do Apóstolo Pedro, com as quais enceramos a anterior: “Mas alegrai-vos no fato de serdes participantes das aflições de Cristo, para que também na revelação da Sua glória vos regozijeis e alegreis” (1 Pedro 4:13). Esta declaração nos leva ao próximo motivo para a nossa alegria como filhos de Deus. A PERSPECTIVA DA ETERNIDADE MOTIVA A ALEGRIA DO CRENTE O Novo Testamento claramente nos ensina a nunca perder de vista a eternidade. Começamos a vida cristã no aqui e no agora, mas nos projetamos para a eternidade em Deus. Devemos, portanto, cultivar uma perspectiva eterna. Esta vida não é tudo. Somos chamados a conservar o olhar para frente e para cima no “Autor e Consumador da nossa fé,” que nos aguarda, triunfantes, em Suas mansões eternas. Com isto em vista Ele “suportou a cruz, com alegria” (Hebreus 12:2). A alegria está ligada à esperança, e a esperança está sempre relacionada com o futuro. Paulo advertiu os cristãos em Roma: “Alegrai-vos na esperança“ (Romanos 12:12). A fé é para o hoje. A esperança é para o amanhã. Colocamos, assim, parte do foco e do sentimento no que ainda será plenamente experimentado na eternidade. Ao nos apropriarmos desta visão e nos firmarmos sobre esta verdade bíblica, provamos o conhecimento e o sentimento da Alegria suficiente para atravessarmos os túneis escuros e os vales de morte que a vida nos apresenta. Num certo sentido, tomamos emprestado do além, a vida que virá no céu, e irradiamos, na vida terrena, a alegria de Jesus, que está fisicamente com Deus o Pai, mas espiritualmente presente dentro de nós, na pessoa do Seu Espírito. Jesus mesmo garantiu aos Seus discípulos: “E eis que estou convosco sempre” (Mateus 28:20). Estêvão exemplificou tal alegria, quando foi apedrejado até à morte, como registrado em Atos 7:54–60. Não há dúvida de que ele teve uma perspectiva eterna. Seus olhos físicos fitando as alturas, era uma ilustração dos olhos espirituais, contemplando o invisível, no plano eterno.  Ele sentiu o ranger de dentes e a dor causada pelas pedras que seus perseguidores lançaram sobre ele. Todavia, ele elevou-se acima do plano terreno, e experimentou algo mais: “Cheio do Espírito Santo, fitando os olhos no céu, viu a glória de Deus, e Jesus em pé à direita de Deus “ (verso 55). A igreja do Novo Testamento teve abundância de problemas; ainda assim os crentes eram cheios de alegria. Aprenderam que uma perspectiva eterna, mais que desejável, é imprescindível. As realidades e recompensas do céu são verdadeiras. Tendo-as presentes no coração, quando provados e tentados, triunfamos, pois o fruto da alegria interior terá crescido e poderá se manifestar externamente. Será evidente aos olhos dos que nos cercam. Quando tudo ao nosso redor, neste mundo...

Leia Mais »

#100dias – 59 – Propósito de Alegria

Postado por em mar 28, 2014 no 100 dias - Plenitude da Unção, Blog

#100dias – 59 – Propósito de Alegria

#100DiasDeJejumEOração DIA 59 (20.03) – O FRUTO DO ESPÍRITO SANTO NO CRENTE (13) O FRUTO DO ESPÍRITO É ALEGRIA (4) Quando lemos os últimos ensinos de Jesus antes de preso e crucificado, deparamo-nos com a essência do que Ele queria que fosse lembrado e vivido. Depois de falar extensamente sobre o Espírito Santo que nos enviaria, revela um propósito que nos maravilha: “Estas coisas vos tenho dito, para que a minha Alegria permaneça em vós, e a vossa alegria seja completa“  (João 15:11) O PROPÓSITO DEUS NA VIDA DO CRENTE É MOTIVO DA SUA ALEGRIA Deus não nos criou sem propósito. Ele é um Deus de plano e de propósito. Viemos ao mundo com um propósito Divino. Podemos conhecer Seu plano para nossa vida e crescer no entendimento do significado do Seu propósito para cada um de nós. Quando alinhamos nossa vontade com a dEle, provaremos a Sua Alegria. O capítulo 15 do Evangelho de João realça a “plenitude da alegria”. Jesus fala da produção de fruto resultante de se permanecer nEle e em Seu amor, bem como cumprir Seus mandamentos. O produto final e propósito,  é uma vida transbordante de Sua Alegria (v. 11). No capítulo 16 Jesus encoraja os discípulos a orar em Seu nome, prometendo que receberão o que pedirem, tendo como resultado uma “alegria completa”, isto é, a plenitude do gozo! “Até agora nada pedistes em meu nome; pedi, e recebereis, para que a vossa alegria seja completa” (verso 24). PAULO FAZ DESSA ALEGRIA UM FOCO DE ORAÇÃO PELOS CRENTES: “Ora, o Deus de esperança vos encha de todo alegria e paz na vossa fé, para que abundeis na esperança pelo poder do Espírito Santo.“ (Romanos 15:13).  A alegria não vem sozinha. Neste versículo ela é acompanhada da fé, da esperança e da paz. Certamente o propósito de Deus para nós inclui muitas qualidades, todavia aqui focamos a Alegria. O PROPÓSITO DE DEUS É NOSSA ALEGRIA, MESMO NO SOFRIMENTO Mesmo em meio á dor e ao sofrimento, Paulo estava convicto que que o redimido pode manter a Alegria. Ele expõe no capítulo 6 de sua segunda carta aos Coríntios uma amedrontadora lista de sofrimentos e tristezas profundas que ele enfrentava (6:4-9), mas conclui, dizendo: “Como contristados, mas sempre alegres; como pobres, mas enriquecendo a muitos; como nada tendo, e possuindo tudo” (2 Coríntios 6:10). No capítulo seguinte, ele diz: “estou cheio de consolação; transbordo de alegria em todas as nossas tribulações” (7:4). Paulo aprendeu que seu propósito em vida incluía tempos de prisão e sofrimento. Quando Ananias foi enviado pelo SENHOR a fim de orar por ele, depois do seu encontro com Cristo no caminho de Damasco, revelou: “Vai, porque este é para mim um vaso escolhido, para levar o meu nome diante dos gentios, e dos reis e dos filhos de Israel. E eu lhe mostrarei quanto deve padecer pelo meu nome” (Atos 9:15,16)....

Leia Mais »

#100dias – 58 – Alegria no Senhor

Postado por em mar 28, 2014 no 100 dias - Plenitude da Unção, Blog

#100dias – 58 – Alegria no Senhor

#100DiasDeJejumEOração DIA 58 (19.03) – O FRUTO DO ESPÍRITO SANTO NO CRENTE (12) O FRUTO DO ESPÍRITO É ALEGRIA (3) “Mas o fruto do Espírito é … Alegria” (Gálatas 5:22) A Alegria, segundo aspecto do Fruto do Espírito, é tão emportante, que Jesus a incluiu como motivo de oração ao Pai, pelos Seus discípulos, na Oração Sacerdotal: “Mas agora vou para Ti, e digo isto no mundo, para que tenham a minha alegria completa em si mesmos” (João 17:13). A POSIÇÃO EM CRISTO É CAUSA DA ALEGRIA DO CRENTE A alegria está ligada à mensagem central do Evangelho: a vinda de Jesus Cristo ao mundo. Em Lucas 2:10 o anjo disse aos pastores na noite em que ele nasceu: “Não temais, porquanto vos trago novas de grande alegria, que o será para todo o povo.” Todo aquele que recebe a Cristo como Seu Senhor e Salvador experimenta o novo nascimento. Isto é obra do Espírito Santo. Esta experiência espiritual é marcada pela alegria da salvação. Os pecados são perdoados. Um relacionamento correto com Deus começa pela graça, por fé (Ef. 2:8) e o resultado é um estado interno de Alegria. Na parábola do tesouso escondido, Jesus ilustra o valor supremo e Alegria experimentado quando alguém encontra o Reino do Céu: “O reino dos céus é semelhante a um tesouro escondido no campo, que um homem, ao descobrí-lo, esconde; então, movido de Alegria, vai, vende tudo quanto tem, e compra aquele campo.“ (Mateus 13:44).  Em Romanos 14:17, Paulo diz: “porque o reino de Deus não consiste no comer e no beber, mas na justiça, na paz, e na alegria no Espírito Santo.“ Essa preciosa alegria nos é concedida graciosamente, mas precisamos cultivá-la em um estilo de vida de crescimento. O apóstolo João diz: “E a vossa alegria ninguém vo-la tirará.“ (João 16:22). A alegria de um cristão não depende de outras pessoas, nem das circunstâncias da vida. Paulo encontrou seu lugar em Cristo. Qualquer que tenha sido a mudança, o desafio, a circunstância, ou mesmo a crise, ele aprendeu a alegrar-se. Ele diz: “Porque já aprendi a viver contente em todas circunstâncias em que me encontre” (Filipenses 4:11).  Ele descobriu que sua suficiência estava só em Jesus Cristo, que é nossa fonte de gozo: “Posso todas as coisas naquele que me fortalece” (Filipenses 4:13). A alegria é uma expressão de fé confiante enraizada num relacionamento de amor com Cristo. É alegria em Deus, contentamento com entusiasmo e exuberância em comunhão com o Senhor. Às vezes ela pode produzir êxtase. O crente que conhece e sente esta Alegria tem uma vivacidade, um enlevo, e um sentido de equilíbrio, que é belo. Romanos 8:31–39 descreve muito bem a segurança do cristão no amor de Deus, em Cristo. Quando este amor é tanto conhecido quanto sentido, a alegria de sua posição em Cristo cresce. Aí vem um fulgor no relacionamento pessoal com o...

Leia Mais »